Header Ads

https://www.amazon.com.br/b/ref=as_li_ss_tl?node=16337903011&pf_rd_m=A3RN7G7QC5MWSZ&pf_rd_s=merchandised-search-1&pf_rd_r=25NB0E9QZ77ARZK9R4XS&pf_rd_t=101&pf_rd_p=016d5e8e-fbd7-4556-89df-e2fa66391ee3&pf_rd_i=16337903011&linkCode=ll2&tag=maravilhdesco-20&linkId=fd09f073782dbee08f43fefbb4db448b

PARA DEPOIS QUE EU PARTIR, DE HEATHER MCNAMY

Receber o diagnóstico de câncer já deve ser difícil. O de câncer terminal, então, nem se fale. Acrescente a isso você ser jovem (menos de 40 anos) e ter uma filha pequena, com menos de 4 anos.

Qualquer pessoa nessa situação surtaria. A Heather também surtou, mas por fim resolveu escrever mensagens para a filha e, dessas mensagens, surgiu a ideia do livro.

"Eu ainda estou me segurando firme, embora, às vezes, nas descidas mais íngremes, solte as mãos corajosamente e as erga no ar... só porque a vida é mais legal desse jeito."



Com sua vida cheia de realizações, um marido que é o amor da sua vida e uma filha criança ainda, um dia Heather descobre um caroço no seio. Desse caroço veio o diagnóstico: câncer – a princípio, curável. Depois de um tempo de tratamento, a triste notícia: Heather teria poucos anos de vida.

Os capítulos do livro se iniciam com mensagens que Heather escreveu em cartões para a filha Brianna e alguma história relacionada com o tema da mensagem, que nos levam por toda a trajetória da autora desde a descoberta da doença até dias antes de sua morte.

Os temas das mensagens (praticamente bilhetinhos) de Heather para Bri variam bastante, desde como passar por um dia difícil até sua primeira aula de direção. Já as histórias incluem como foi receber o diagnóstico de câncer terminal, como sua família e amigos se comportam, como é planejar o próprio enterro e, principalmente, como é sentir que você não vai acompanhar sua filha crescendo.


Em Para Depois que eu Partir, Heather relata como sua vida mudou com o câncer. Da aposentadoria precoce ao “cancercard” (leia o livro e entenda rs), temos o relato da doença pelos olhos da paciente, com todos os altos e baixos.

"Quando um urso decide que quer comê-lo, ele vai comê-lo. Ursos, assim como a morte, não negociam."


Essa é uma história sensível e tocante, perfeita para ler agora durante o Outubro Rosa.
Encerro essa resenha com uma pergunta: o que você faria se descobrisse que tem uma doença terminal?

"Esteja você prestes a morrer com a idade de 36, 66 ou 96, a vida sempre lhe parecerá muito curta se você não vivê-la de fato. Encontre a sua esperança. E nunca se esqueça de que cada dia conta."

Nenhum comentário

Obrigada pela atenção. Assim que possível estarei respondendo :)

Tecnologia do Blogger.