A IRMANDADE DA ADAGA NEGRA - A BESTA,DE J. R. WARD





A Besta, da autora americana J. R. Ward, é mais um livro da famosa série de vampiros A Irmandade da Adaga Negra. Este 14° livro, temos de novo nosso querido casal Mary e Rhage, que protagonizou o segundo livro da série lá atrás em Amante Eterno. Eu poderia fazer um post apenas para falar dessa série que sou apaixonada, e que recomendo para qualquer fã de livros de romance e vampiros, mas vamos focar em A Besta.

Relembrando o livro anterior deles, Mary conseguiu escapar do câncer, graças a ajuda da Virgem Escriba (deusa da raça de vampiros), que concedeu a ela a imortalidade, para que possa ficar do lado de Rhage até que ele morra e ela queira seguir com ele para o Fade (o paraíso deles). Em troca deste milagre, Rhage deveria permanecer para sempre com uma maldição, ter uma besta em forma de tatuagem nas suas costas, que o faz se transformar em uma especie de dragão quando ronda o perigo. Para Rhage e Mary, eles já estão tão habituadas a Besta, e encontraram até algumas vantagens. Mas tem um fato do passado de Mary, que agora parecer voltar para incomodar o casal: Mary não pode ter filhos.

Neste livro, Mary está tentando ajudar a garotinha Bitts a lidar com as mudanças na sua vida, após ela e sua mãe terem sido resgatadas da casa do pai abusivo. E a perda inevitável da mãe da garotinha, deixa as coisas ainda mais difíceis. Após passar muito perto da morte, Rhage começa a se questionar sobre um vazio que começa a sentir, e o porque do afastamento entre ele e Mary, quando os dois ainda são completamente loucos um pelo outro.


Como falei no começo do texto, sou apaixonada pela série da Irmandade, e adoraria fazer um post só para falar dela, se nossos leitores se interessarem, e com certeza, um dos meus casais favoritos são Mary e Rhage. Ele é um personagem adorado por todas as leitoras, além de ser o mais bonito e o mais divertido. Então é muito novo ver esse Rhage confuso, sentimental, que começa a perceber a evolução dos seus companheiros de casa, com alguns casais com filhos e etc. É como se de repente ele percebesse a necessidade interna de deixar algo para o futuro, uma parte dele e de Mary.

Depois de tantos livros na série, eu ficava imaginando o que mais J. R. Ward poderia criar, e fui para esse livro com um pé atrás. Mas a medida que lia, me surpreendi em como o livro se tornava profundo, emocional, tão realista, mas sem perder o romance e o divertimento característico dos livros da irmandade e ainda mais de Rhage. É muito doce ver o envolvimento de Mary e Rhage com Bitts, na tentativa de criar uma família. E como acontece em todos os livros da série, temos também as interações de outros casais que aparece, o que só nos deixa mais ansiosos em saber o que a autora trará nos próximos livros.

Tem quem se preocupe com o rumo que J. R. Ward está tomando, ou que pense que a série está se desgastando, mas posso dizer com certeza, que A Besta está entre os melhores livros da série, como um todo. Não apenas pelo romance ou diversão, mas pelos conflitos, diálogos e soluções. Foi lindo em muitos momentos, e parece ser o livro que está consagrando essa nova fase dos irmãos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela atenção. Assim que possível estarei respondendo :)

Instagram