LEITURA Á DOIS: A Sereia, de Kiera Cass

No Leitura á Dois de hoje,  o parceiro da vez é Uncreative Place, que é um blog bem legal, aborda diversos assuntos, e super indico uma passadinha por lá! Então bora para a Leitura á Dois?



Para começo de conversa, do que se trata a história?

A Sereia, de Kiera Cass, conta a história de Kahlen, uma jovem que foi tomada pela água após o naufrágio do navio em que estava. A água lhe deu o dom da voz, e assim lhe fez sereia, libertando a moça da morte que teria. Kahlen tem 100 anos para usar sua voz em prol d'Água, e assim lhe trazer presas. O problema disso tudo, é que Kahlen é uma pessoa apaixonada pela vida, e por mais que ela possa transitar entre os humanos, ela não poder interagir ou sustentar um relacionamento começa a matá-la aos pouquinhos. 

O que você achou da escrita da autora no decorrer do livro?

A escrita é fácil e corrida. É o típico livro que você pega pra ler e só para quando chegar na última página. Ela soube recriar um conto, por assim dizer, de uma forma contemporânea e leve. Em relação à série anterior da autora, eu não saberia dizer já que não li, mas a escrita é apaixonada e te faz se apaixonar também. É intensa e cheia de significados.


Que mensagem você crê que a autora quis passar com sua história?

A luta que Kahlen enfrenta demonstra como é ruim ser preso à algo, e como é difícil lidar com coisas que vão contra nossa índole. Assim, Kiera trás a mensagem de como o amor ajuda, como o amor suporta, como o amor cura tudo. Em cada página é transmitido como o amor é essencial. 

E com essa mensagem, que aprendizado você agregou em sua vida?

Que sempre haverá males que vem para o bem. As vezes, desacreditamos que o amor é algo real, algo que realmente muda, transforma, dá vida, e nos trás uma alegria sem tamanho. E a mensagem ali passada, é essa, de que o amor existe sim, e é maior do que imaginamos. O amor é surreal e essencial.

Para finalizar, qual trecho do livro lhe chamou mais atenção, e por quê?

"Fui tragada pela água e alguma coisa fria penetrou minhas veias. 
E embora isso me assustasse, não chegou a doer."

Nesse trecho, a Água domina Kahlen, lhe dando a sensação de algo tomando conta, e realmente é assustador, algo que você não sabe o que é. Me chamou a atenção, pelo fato de Kahlen conseguir se adaptar, mesmo que não por completo, com aquela vida que ela simplesmente tinha que aceitar ter. Ela seguiu de cabeça erguida, e sonhando com o dia que aquilo acabaria. Se parar para refletir, é como se um menino que nasceu na periferia não visse a hora de arrumar um bom emprego e sair daquele lugar. 


E então? Minhas respostas bateram com o que vocês pensaram? Sim? Não? Ficaram na dúvida? Então cliquem aqui, e vejam as respostas que a Bia colocou. E coloquem a de vocês aqui nos comentários também para nós trabalharmos a mente um pouquinho em cima desse livro que é tão cheio de tramoias. Então é isso, um beijo e até a próxima postagem!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela atenção. Assim que possível estarei respondendo :)

Instagram